“Os mercados precisam de novas levas de perdedores, da mesma maneira como os construtores das antigas pirâmides do Egito necessitavam de novos sortimentos de escravos”.

Alexandre Elder

Embora pareça pouco provável, muitos seres humanos buscam a perda, não deliberadamente, mas inconscientemente. É uma marca mental que direciona o sujeito em muitos aspectos da vida. Para alguns o foco é a vida pessoal, para outros é o lado profissional e, para muitos, é o aspecto financeiro. É um mecanismo psíquico que até pode ser desconhecido na origem, mas que é evidente no efeito. Por exemplo, ingerir drogas, procurar trabalhos insalubres ou fazer escolhas financeiras ruins são algumas das manifestações da busca pelas perdas. São também conhecidos como autoboicotes ou autossabotagens.

Outro dia estava ouvindo uma música sertaneja cujo refrão dizia: “Perdi o jogo para mim”. Isso é autossabotagem: perder mesmo quando se está jogando sozinho. É atrapalhar a própria vida e não se dar o direito de obter bons resultados. Infelizmente, isso não é uma teoria de gabinete, mas uma prática e uma dura realidade de inúmeras pessoas, sobretudo, investidores.

E por que é tão difícil reconhecer quando se está nesse processo? Porque não são impulsos ou ações “escancaradas” – seriam facilmente detectadas –, e sim uma sofisticada e imperceptível rede de significados mentais. Quem já ouviu alguém anunciar que está construindo uma perda futura? Nunca, porque isso seria “loucura”. Mas quem nunca presenciou alguém falando sobre decisões financeiras que se mostravam desastrosas para qualquer um, menos para o próprio sujeito? Não estaria ele mergulhado no mais profundo aprisionamento revestido por uma cortina de fumaça, muitas vezes chamada de pensamento racional? 

Quando alguém é escravo e submisso às perdas pode passar horas justificando as decisões tomadas e, embora os argumentos sejam palpáveis e a quantidade de informações seja grande, a autossabotagem aparece, porque um perdedor, cedo ou tarde, se denuncia.

Certamente, não podemos confundir reveses com busca pela perda. Nem sempre se ganha e essa é a regra do jogo. Mas quando a quantidade de perdas é maior que a de ganhos, vale conferir mais de perto o que está acontecendo. Se não é falta de informação, então poderia ser a busca inconsciente pela perda? O mercado financeiro também serve de palco para perdedores escamoteados de investidores. Felizmente, existem batalhões de pessoas bem-sucedidas financeira e afetivamente, que nunca foram submetidas às perdas ou que romperam com a escravidão e defendem o desejo de bem viver.