O Tai Chi é uma arte marcial chinesa que concede inúmeros benefícios para quem a pratica.

O Tai Chi é uma meditação em movimento

Baseado em alguns elementos do Ba Gua (oito trigramas), do I Ching (livro das mutações) e o Tao Te Ching, de Lao Tsé, o Tai Chi é um tipo de arte marcial interna, que funciona como uma espécie de meditação em movimento. Com princípios filosóficos do taoísmo, o Tai Chi busca equilibrar seus praticantes espiritual, mental e fisicamente, seja com base em meditações interiorizantes e estáticas ou por meio de séries de movimentos, formas e posturas que se inspiram na natureza e nas suas variadas formas de expressão.

Apesar das inúmeras ramificações de diferentes escolas, alguns elementos básicos são comuns a todas, especialmente no que diz respeito à promoção da saúde e na conjugação de arte marcial com práticas meditativas. [1]

O Yin e Yang como energias complementares

De acordo com a Medicina Tradicional Chinesa (MTC), com intuito de harmonizar o fluxo de energias opostas (Yin e Yang) que permeiam o corpo humano, a prática do Tai Chi propõe uma luta de opostos, de excessos e carências, de ataques e defesas, de pulsões de vida e de morte, cujo intuito é o equilíbrio, o caminho do meio.

Especificamente com relação aos benefícios ao corpo, há pesquisas [2, 3] que revelam melhora: na postura, na respiração, no equilíbrio, na resistência muscular, etc. Já no que diz respeito aos benefícios de ordem mental/espiritual, podem ser destacadas vantagens: na concentração, na propriocepção, na memória, no controle da ansiedade, do estresse e da depressão, entre outros.

Por se tratar de uma prática que não tem impacto, o Tai Chi é indicado para todas as idades, assim como para pessoas com mobilidade reduzida, pois tem um efeito terapêutico além de preventivo. As mesmas práticas que, para os mais jovens, servem para dar resistência muscular e coordenação motora, para os mais experientes, funcionam como terapia preventiva para manutenção do tônus muscular e do equilíbrio corporal, promovendo, assim, melhor qualidade de vida aos envolvidos.

O Tai Chi inspira-se na natureza

Assim, por se tratar de uma arte marcial interna, cujo foco principal não é preparar ninguém para torneios, há uma situação de maior cuidado e conhecimento de si mesmo, e, também, de elementos de defesa pessoal. Trata-se de uma prática na qual os momentos podem se abrir enquanto plataformas de análise existencial, planejamento da própria vida, resolução de conflitos internos, rompendo barreiras e superando dificuldades.

Além disso, como afirma-se em uma passagem do capítulo 9 do Tao Te Ching, o Tai Chi nos ensina a saber quando devemos parar de afiar a lâmina, pois todo excesso é prejudicial. [4] Por fim, de massagens reflexológicas nos pés a exercícios de respiração e posturas que imitam animais e fenômenos da natureza, o Tai Chi é uma arte intrigante, que alia a sabedoria chinesa milenar à prática em um mundo contemporâneo conturbado e exacerbadamente tecnológico, aquietando a alma e promovendo saúde do corpo de quem pratica.

Referências

  1. PAWLETT, Ray. The Tai Chi Handbook. New York: Rosen Publishing, 2010.
  2. HOLMES, Matthew L. et al. Tai Chi training reduced coupling between respiration and postural control. Neuroscience Letters Journal, 610, p. 60-65, 2016.
  3. SUNGKARAT, Somporn et al. Effects of Tai Chi on Cognition and Fall Risk in Older Adults with Mild Cognitive Impairment: A Randomized Controlled Trial. The American Geriatrics Society Journal, v. 65, n. 4, p. 721-727, 2017.
  4. TZU, Lao. Tao Te Ching. Translated by Red Pine. San Francisco: Mercury House, 1996.