Existem três tipos de biotipos corporais:
  1. Ectomorfo: geralmente são longilíneos, possuem ombros estreitos, seu esqueleto é aparente, apesar de fino. Devido ao baixo percentual de gordura, suas fibras musculares são aparentes, mas o sistema muscular pouco desenvolvido. Seus sistemas mais desenvolvidos são o nervoso e o da pele. Normalmente eles apresentam dificuldade de ganhar massa muscular e acumular gordura.
  2. Mesomorfo: geralmente são musculosos, com esqueleto largo e espesso, caixa torácica larga e ombros proeminentes, o que lhes dá um aspecto atlético. Chama muita a atenção o desenvolvimento muscular de membros distais (braços e pernas). Seus sistemas predominantes são o muscular e esquelético. Geralmente têm dificuldades em esportes de longa duração, pois sua musculatura muito desenvolvida gera um desgaste maior
  3. Endomorfo: tendem a possuir formas mais arredondadas; o desenvolvimento do tecido adiposo faz desaparecer o seu relevo muscular. Seu esqueleto é menos frágil que o dos ectomorfos, mas menos espesso que dos mesomorfos. O sistema digestório, por ser extremamente desenvolvido, lhes confere a característica de cintura larga e arredondada. Seu sistema desenvolvido em predominância é o digestório. Além disso, apresentam dificuldade em perder peso e facilidade em ganhar.

Mas se liga:

Devemos admitir que hoje em dia não existem biotipos unicamente ectomorfos, mesomorfos e endomorfos.

Atualmente, os indivíduos são misturas desses biotipos, com predominância de um ou de dois. Sendo assim, o mais importante é saber reconhecer tais características, sabendo diferenciá-los, a fim de se estabelecer um plano de treinamento mais efetivo em termos de resultados.

Vamos treinar?


Já sabemos que os biotipos estão misturados e que as nossas necessidades, em função do nosso estilo de vida, fazem com que busquemos atividades físicas que nos proporcionem um mescla de estímulos.

Praticar treinos de força e hipertrofia favorece os biotipos mesomorfos e ectomorfos, usando como ferramenta a musculação e também o LPO (Levantamento de pesos olímpico); a resistência, ao favorecer o biótipo endomorfo, pode ser trabalhada com treinos de corrida na esteira ou na rua, junto também com uma pedalada, onde o aspecto motivacional se eleva. Uma modalidade muito utilizada nas academias é o jumping; a aula é de extrema exigência física e apresenta um alto grau de aspecto motivacional. Todas estas práticas citadas sempre serão bem-vindas, desde que bem planejadas.

Quanto maior for o número de estímulos, melhor para o nosso organismo; porém, precisamos lembrar que menos é mais: uma única atividade bem feita é melhor do que três sem planejamento algum.

Existem modalidades de academias como o Cross Funcional, prática que favorece muito o endomorfo, mas também compatível com o mesomorfo e o ectomorfo, onde se trabalha força, potência, resistência, flexibilidade e também muito o aspecto motivacional e um alto gasto calórico.

Certamente, nem sempre iremos fazer treinos especificamente relacionados ao nosso biotipo corporal: a atividade física transcende o aspecto físico; ela possibilita a busca de algo a mais e não só pelo aspecto físico ou de manutenção e prevenção da saúde, mas também como algo mais prazeroso e que faça parte de nosso dia a dia, para nos deixar mais autoconfiantes. Como sabemos, os locais de práticas esportivas já se tornaram lugares de convívio social, onde se formam ciclos de amizades.

Então, independente do seu biotipo corporal ou se você ainda não sabe qual seja o seu, não deixe para começar a treinar amanhã: comece ontem, pois o seu corpo e sua mente agradecem.